Assine e receba nossos artigos Assinar

Começar a investir: esse é um tema que normalmente envolve muitas dúvidas e, em alguns casos, muitos receios e alguns mitos também.

Há quem ache que só quem já tem muito dinheiro pode investir. Há também quem não investe por simplesmente não conhecer as opções disponíveis no mercado. Outros não investem por puro e simples medo de perder dinheiro por acreditar que todo investimento é muito arriscado.

Este texto tem como função não só acabar com alguns mitos e tirar algumas dúvidas, mas também te dar algumas dicas do que você pode fazer para entrar no mundo dos investimentos. 

Antes de irmos diretamente para as dicas, é importante dizer que se tornar um investidor não é algo que acontece realmente da noite para o dia - pelo menos não se você quer que as coisas deem certo.

O caminho que você vai percorrer com certeza vai exigir seriedade e dedicação, inclusive para entender as melhores opções de investimento para você. 

Por outro lado, você vai entender que não estamos falando de um ecossistema tão complexo assim. Hoje já existe um movimento de migração dos brasileiros para o universo dos investimentos.

Nos últimos anos, tem crescido o número de pessoas que investe parte de sua poupança em produtos de investimentos, enquanto outras deixam a poupança para trás e alocam 100% do seu dinheiro em outras opções de investimento. 

Tudo isto gera um maior interesse por parte das pessoas, que buscam informações para seguir esse caminho.

Dito isso, vamos às dicas!

1) Se organize financeiramente:
Você se torna um investidor muito antes de fazer o seu primeiro aporte.  O primeiro passo, com certeza, é estabilizar a sua vida financeira para que possa começar a investir.

Sugerimos que você faça um controle de gastos, busque eliminar o máximo possível de supérfluos e identifique o quanto você consegue economizar por mês.

Você pode começar a separar uma quantia no início de cada mês e destinar ela a investimentos. Isso te ajuda a controlar o restante do seu dinheiro de uma forma mais rígida e, com o tempo, essa economia se tornará um hábito.

2) Trace metas!
O que você pretende fazer com o resultado daquele investimento? 

Realizar uma viagem, garantir o dinheiro dos estudos dos seus filhos, ter uma renda maior na sua aposentadoria…

Os motivos para começar a investir são muitos e com certeza saber o porquê de estar investindo vai interferir diretamente no tipo de investimento que você deverá fazer.

3) Conheça bem seu perfil como investidor.
O perfil de investidor ( também conhecido como suitability) diz respeito majoritariamente à sua tolerância a riscos, envolvendo seu patrimônio e pode funcionar como uma espécie de filtro para os tipos de produtos com os quais você poderá se identificar mais.

Grande parte das corretoras realiza alguns “testes” de perfil de investidor no momento em que você abre a sua conta. Você pode saber mais sobre o assunto clicando aqui.

4) Estude as alternativas disponíveis.
Com as metas e objetivos do seu investimento traçados e o seu perfil bem definido, você poderá avaliar os tipos de ativos disponíveis no mercado e, a partir daí, começar a entender qual dessas opções são mais indicadas para você.

As variáveis podem ser muitas e não se resumem somente ao risco do investimento. Elas podem se referir ao tipo de rentabilidade, ao prazo no qual você pretende resgatar o seu investimento, aos impostos que vão incidir, ou não, em cada tipo de ativo, entre muitas outras características. 

Pode parecer muita coisa no início, mas calma: seguindo passo a passo você irá, aos poucos,  se habituar com o tudo o que precisa saber sobre o tema. Além disso, existem muitos materiais disponíveis para te ajudar a entender cada etapa das quais estamos falando nesse post.

5) Compare.
Não basta só estudar os tipos de investimento para definir qual o melhor para você.  É importante ter uma base, mesmo que simulada dos seus ganhos antes de tomar a decisão.

É nessas situações que os simuladores de investimento são muito úteis e podem ser aquela última peça que faltava para você montar o seu quebra cabeça.

6) Abra uma conta numa corretora.
É a partir da corretora que você vai começar a investir de fato. Através dela, você tem acesso a plataformas para fazer as aplicações em ativos, dispor de informação e auxílio dos analistas e muito mais.

Na Terra Investimentos, você pode abrir sua conta gratuitamente.

7) Invista de acordo com a sua realidade.
Sempre tenha em mente que, na maioria dos casos, um resgate muito prematuro do seu investimento pode causar problemas que irão impactar diretamente no seu patrimônio, portanto invista valores que você tenha destinado apenas para isso. Não gaste toda a sua reserva numa única tacada.

Outra dica importante é testar. Você pode optar por fazer aportes menores em alguns ativos e avaliar com calma a performance de cada um deles para só então aumentar os seus aportes.

8)  Não seja relapso.
Investir não é simplesmente comprar o ativo e “esquecer que ele existe”  por mais que o seu objetivo seja a longo prazo.

Acompanhe tanto a performance do seu investimento quanto o mercado, mesmo que através de podcasts, jornais ou até mesmo pelo instagram da sua corretora.

Assim você pode não só ter maior controle do seu patrimônio, como também poderá identificar oportunidades para, caso queira e possa, expandir a sua carteira de investimentos.

Essas são as nossas primeiras dicas para você que deseja começar a investir.

Aqui no nosso blog, você encontrará material de apoio para cada etapa do processo. Caso tenha alguma dúvida, pode entrar em contato com a gente através dos comentários.

Prontos para investir? Vamos juntos!

Comentários

Últimos posts

Terra Investimentos

Sobre a Terra Investimentos

Com duas décadas de história, a Terra Investimentos conquistou a liderança no mercado agro e expandiu sua atuação no mercado financeiro e de capitais.

Atuamos na intermediação, negociação, originação e distribuição de produtos de renda fixa, renda variável, títulos públicos e privados, fundos de investimentos, derivativos, serviços fiduciários, assessoria de investimento, câmbio, seguros e previdência, HFT (High Frequency Trading), entre outros voltados a pessoas físicas e clientes institucionais.

Assine nossa newsletter