Blog

Blog >> Tipos de Tesouro Direto: qual o ideal para você?

Tipos de Tesouro Direto: qual o ideal para você?

Você sabia que existem diferentes tipos de Tesouro Direto, e que cada um deles serve melhor para objetivos específicos de investimento?

Normalmente, quando ouvimos falar em títulos públicos, associamos o investimento a perfis mais conservadores. No entanto, isso não é uma verdade absoluta, pois esses títulos podem perfeitamente estar na carteira de todo investidor. Mas, para fazer a escolha certa, você precisa conhecer os diferentes tipos de Tesouro Direto, e é isso o que veremos a seguir!

Quais são os tipos de Tesouro Direto?

De acordo com a forma de remuneração, os títulos públicos podem ser de três tipos: pós-fixado, prefixado ou híbrido. Confira as características de cada um deles.

Tesouro Selic (ou pós-fixado)

Também conhecido como Letra Financeira do Tesouro (LFT), esse título acompanha a variação da Selic, a taxa básica da economia brasileira. Dessa forma, você só saberá qual será o seu rendimento no momento em que resgatar a aplicação.

Entre todos os tipos de Tesouro Direto, o Selic é o único que possui liquidez diária. Ou seja, o rendimento do título é somado ao montante aplicado todos os dias. Logo, o investidor pode resgatá-lo a qualquer momento, mesmo antes do vencimento, sem prejuízo da remuneração.

Devido à facilidade de resgate, o Tesouro Selic, ao lado do CDB, costuma ser um dos melhores investimentos para formar a reserva de emergência – clique aqui para ver um comparativo entre CDB e Tesouro Selic e descobrir qual dos dois é um melhor investimento para você.

Tesouro Prefixado

Já no Tesouro Prefixado, você sabe desde o início quanto o título irá render, pois a taxa é fixa e expressa ao ano. Também conhecido como Letra do Tesouro Nacional (LTN), é o tipo de título público indicado para prazos mais longos, a partir de três anos. Isso não significa que, no caso de uma emergência, você não possa resgatá-lo antes do vencimento. No entanto, se fizer isso, poderá não conseguir o rendimento acordado no início da operação.

Nas palavras do mercado financeiro, esse tipo sofre marcação a mercado. Traduzindo: diariamente, o seu preço é ajustado, de forma a representar o quanto vale caso o investidor queira vendê-lo no dia. E, dependendo do momento do mercado, esse ajuste pode ser para cima ou para baixo.

Por exemplo, imagine que você tenha um título prefixado que paga 12% ao ano, com vencimento para daqui a três anos. Digamos que, para esse prazo, a previsão é de que os juros estejam mais altos. Se isso acontecer, o Tesouro Direto irá lançar no mercado títulos com juros mais altos do que o seu. Logo, o título que você tem será menos atrativo em termos de rentabilidade do que os novos lançados, e isso faz com que o preço do seu investimento seja ajustado para baixo.

Lembrando que o oposto também pode acontecer. Ou seja, se a expectativa é de que os juros caiam e você tem um Tesouro Prefixado, a marcação a mercado irá valorizar o seu investimento. De qualquer forma, não é possível prever para onde vão os juros. Logo, o melhor é não arriscar e investir no Tesouro Prefixado se tiver certeza de que não precisará do dinheiro antes do vencimento.

Tesouro IPCA+ (ou híbrido)

Por fim, temos o Tesouro IPCA+, que é híbrido justamente por que sua remuneração é formada parte por uma taxa fixa e parte pelo desempenho do IPCA, principal índice de inflação do Brasil.

O Tesouro IPCA+ é um dos investimentos mais indicados em tempos de inflação alta. Como o título acompanha a evolução do índice, isso preserva o dinheiro da desvalorização pela alta dos preços – há outros investimentos que também podem ser utilizados para proteger seu dinheiro da inflação.

Da mesma forma que o prefixado, o Tesouro IPCA+ também sofre marcação a mercado. Por isso, é indicado para o longo prazo, sendo que o resgate antecipado pode prejudicar o seu rendimento, conforme vimos anteriormente.

Forma de recebimento dos rendimentos do Tesouro Direto

Outro ponto importante para escolher entre os tipos de Tesouro Direto diz respeito à forma como você deseja receber os rendimentos.

Em relação ao Tesouro Prefixado e Tesouro IPCA+, existe ainda uma subclassificação. Nesse sentido, em cada um deles o investidor pode optar se deseja receber os rendimentos semestralmente ou somente no vencimento do título.

No caso do Tesouro Prefixado, quando o pagamento dos juros é semestral, chamamos o título de NTN-F. Já no Tesouro IPCA+, ambos os títulos são NTB-N, sendo que o que paga juros finais tem a palavra “Principal” logo depois da sigla.

Você pode estar se perguntando: e o que é melhor? Receber juros no final ou a cada seis meses? A resposta a essa pergunta dependerá principalmente do objetivo do seu investimento.

Se você deseja montar uma carteira para ter uma renda extra com investimentos, receber juros a cada semestre é uma boa alternativa. No entanto, é importante considerar que, cada vez que você recebe os rendimentos, isso faz o seu montante total diminuir. Nesse caso, os próximos juros incidirão sempre sobre um valor menor investido.

Por outro lado, se você investir e deixar o dinheiro até o vencimento, aproveitará muito mais o efeito multiplicador dos juros compostos. Ou seja, os juros capitalizarão um montante cada vez maior, e você receberá mais ao final da aplicação.

Agora que você já conhece os tipos de Tesouro Direto, que tal começar a investir? Preencha o formulário abaixo, e contate agora mesmo a assessoria especializada da Terra investimentos!

Tem alguma dúvida? 

Na Terra Investimentos, o atendimento é próximo e personalizado. Para saber mais sobre as vantagens de investir conosco, preencha o formulário a seguir:


Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Rendimentos do Tesouro Direto
Blog Terra Investimentos

Posts Relacionados