Blog

Blog >> Juros compostos nos investimentos: você sabe como isso funciona?

Juros compostos nos investimentos: você sabe como isso funciona?

Sem dúvida, o sonho de todo investidor é multiplicar o patrimônio. Nesse sentido, os juros compostos nos investimentos são o maior aliado de quem deseja ver o bolo crescer da forma mais rápida possível.

Muitas vezes, o fato de não ter muito dinheiro para investir acaba desanimando as pessoas, fazendo com que posterguem ou mesmo nem comecem a formar suas reservas financeiras. No entanto, a boa notícia é que, com os juros compostos, você pode ter excelentes resultados mesmo investindo só um pouco por mês.  Desde que, é claro, mantenha foco e disciplina em suas aplicações.

Quer saber de que forma o seu dinheiro pode trabalhar para você? Então, continue a leitura e conheça o poder multiplicador dos juros compostos nos seus investimentos!

Como funcionam os juros compostos nos investimentos?

Basicamente, juros compostos são juros que incidem sobre juros. Em outras palavras, eles incidem sobre o valor investido inicialmente já acrescido de juros que foram acumulados ao longo do tempo do investimento.

Para você ter uma melhor noção do poder dos juros compostos, basta pensar na sua fatura do cartão de crédito, ou na utilização do cheque especial. Se alguma vez você já atrasou a fatura do cartão, ou pagou um valor menor do que o total, deve ter percebido que, no próximo mês, o saldo devedor cresceu mais do que as suas compras. Da mesma forma, quando você passa algum tempo sem cobrir o cheque especial, os juros pela utilização do limite aumentam a cada mês.

Nos exemplos acima, os juros agem contra o seu bolso, pois aumentam cada vez mais a sua dívida. Porém, os juros compostos nos investimentos têm o poder “bola de neve”, pois multiplicam o patrimônio.

No início, esse efeito multiplicador é mais lento de se perceber. É por esse motivo que muitas pessoas que se propõem a começar a investir desistem nos primeiros meses. Porém, quem tem persistência percebe que, com o passar do tempo, os juros incidem sobre um capital cada vez maior, e a velocidade com a qual o dinheiro aumenta também cresce.

Exemplos de cálculo de juros compostos

A melhor forma de entender o poder multiplicador dos juros compostos nos investimentos é por meio de exemplos, certo?

Por isso, demonstraremos a seguir duas situações. Na primeira delas, o investidor faz só um aporte no início da aplicação. Na segunda, além do aporte inicial, todos os meses ele deposita uma determinada quantia fixa.

Como o nosso objetivo é somente mostrar a capitalização dos juros compostos, não consideraremos os custos da aplicação (IR e eventuais taxas). Acompanhe!

Situação 1: investidor faz só um aporte inicial

Imagine que você investiu R$ 5.000 em algum título de renda fixa (CDB, LCI ou LCA, por exemplo) e esse título paga 12% ao ano. O prazo da aplicação é de cinco anos, e você só irá resgatar o título no vencimento.

Lembrando: com os juros compostos nos investimentos, a capitalização será sempre sobre o valor investido acrescido de juros. Dessa forma, para R$ 5.000 a 12% ao ano durante cinco anos, você terá o seguinte rendimento ao final do período:

– ano 1: R$ 5.000,00 + 12% = R$ 5.600,00 (rendimento: R$ 600,00)

– ano 2: R$ 5.600,00 + 12% = R$ 6.272,00 (rendimento: R$ 672,00)

– ano 3: R$ 6.272,00 + 12% = R$ 7.024,64 (rendimento: R$ 752,64)

– ano 4: R$ 7.024,64 + 12% = R$ 7.867,60 (rendimento: R$ 842,96)

– ano 5: R$ 7.867,60 + 12% = R$ 8.811,71 (rendimento: R$ 944,11)

Observe que, mesmo com somente um aporte inicial, os rendimentos são maiores a cada ano que passa. Agora, veremos o que acontece com o seu dinheiro se você, além do valor inicial, investir R$ 1.000 no final de cada ano.

Situação 2: investidor faz aportes anuais de R$ 1.000 além do inicial

Dessa vez, imagine o mesmo investimento inicial de R$ 5.000 mas, ao final de cada ano, você faz um aporte adicional de R$ 1.000. Nessa situação, veja como fica o seu rendimento no vencimento da aplicação:

– ano 1: (R$ 5.000,00 + 12%) + R$ 1.000 = R$ 6.600,00

– ano 2: (R$ 6.600,00 + 12%) + R$ 1.000 = R$ 8.392,00

– ano 3: (R$ 8.392,00 + 12%) + R$ 1.000 = R$ 10.399,04

– ano 4: (R$ 10.399,04 + 12%) + R$ 1.000 = R$ 12.646,92

– ano 5: (R$ 12.646,92 + 12%) + R$ 1.000 = R$ 15.164,55

Perceba que somente um aporte anual fez o rendimento do investimento crescer exponencialmente. Agora imagine se, além desse aporte de R$ 1.000 no final de cada ano, você tivesse feito pequenos depósitos durante o ano. Nesse caso, o seu montante seria ainda maior. Com esses exemplos, deu para entender o poder dos juros compostos nos investimentos, certo?  Se você tiver disciplina para investir, em breve o seu dinheiro começará a trabalhar por você, e de forma cada vez mais rápida!

Investimentos com juros semestrais: atenção!

Para reforçar o orçamento, muitas pessoas buscam obter renda passiva com investimentos. Nesse sentido, uma das alternativas mais conhecidas e acessíveis é o Tesouro Direto com juros semestrais.

Esse tipo de título do tesouro pode ser prefixado ou indexado à inflação. De fato, é uma interessante alternativa para proporcionar uma entrada extra de caixa. No entanto, é preciso que o investidor avalie os seus objetivos financeiros para saber se realmente esse é o melhor título para sua carteira.

Isso porque, no caso se investimentos com juros periódicos, a cada recebimento desses juros, o capital investido reduz. Dessa forma, os juros compostos sobre os investimentos incidirão sobre um valor menor, e isso reduz o efeito “bola de neve” que favorece o seu dinheiro.

Portanto, investimentos que pagam juros periódicos acabam sendo mais indicados para quem já não está mais na fase de acumulação de capital. No entanto, para quem está no começo da vida financeira e ainda construindo patrimônio, a melhor opção é resgatar todo o montante acrescido de juros somente no vencimento da aplicação. Quanto mais tempo você deixar quieto o seu dinheiro, mais ele trabalhará de forma eficiente.

Portanto, depois de constituir a sua reserva de emergência, o próximo passo é pensar em investimentos de prazos maiores. Aqui, falamos no Tesouro Direto como exemplo, mas há interessantes opções na renda variável que também pagam rendimentos periódicos, como ações ou fundos imobiliários, por exemplo.

Mas, para diversificar com segurança e de forma mais assertiva, é preciso conhecer o seu perfil de investidor. Aqui na Terra Investimentos, nossa equipe especializada tem as melhores alternativas, sempre alinhadas ao seu perfil e objetivos financeiros.

Ficou com alguma dúvida?

Você está pensando em diversificar os seus investimentos e ainda não sabe por onde começar? Então, não perca tempo! Basta preencher o formulário abaixo para que os especialistas da Terra investimentos entrem em contato com você!


Compartilhe:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Juros compostos nos investimentos ao longo do tempo
Blog Terra Investimentos

Posts Relacionados